100 anos da lingerie como você conhece

primeiros

Os primeiros registros de roupa de baixo feminina datam de antes de Cristo. E, a partir da Idade Média, começaram a ser usadas peças que modelavam o corpo da mulher (o que, anos mais tarde, virou o espartilho).

Mas foi só em 1913 (há exatos 100 anos atrás) que criaram o precursor do sutiã e, consequentemente, a lingerie como conhecemos hoje. A boutique de Heminie Cadolle, em Paris elaborou um modelo de algodão e seda, feito de dois lenços, um pedaço de fita cor-de-rosa e um pouco de cordão. Mas havia poucas opções de tamanho e o ajuste era feito por presilhas nas alças, nada prático e comercial o suficiente. No mesmo ano, a socialite americana Mary Phelps Jacob patenteou o sutiã e vendeu a patente para uma fábrica americana de roupas femininas, a Warner Brothers Corset Company, por 15 mil dólares da época. E assim começou a produção em série da lingerie.

Nos anos 40, por conta do alto custo das fotografias na época, surgiram as pinups: modelos que eram desenhadas e pintadas em poses pra lá de sensuais. Como era de se esperar, a lingerie ganhou um status a mais.

Logo, a lingerie se popularizou, especialmente, é claro, o sutiã. Nos anos 80, Madonna chocou o mundo usando um modelito quevirou ícone: o famoso sutiã de cone desenhado por Jean Paul Gaultier. Apesar dos narizes torcidos no começo, foi justamente aí que começou a moda de mostrar a lingerie. De trazer à tona a roupa de baixo, de usar o sutiã como peça protagonista do look, e não como elenco de apoio.

E, de lá pra cá, surgiram novas tecnologias, novos modelos, novas funcionalidades… Só uma coisa  não mudou: continuamos sendo loucas por lingerie! : )

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *